Perdendo o jogo

Temer mira “batalha da comunicação” na “reforma” da Previdência

In Destaques, Notícias 11 abril, 2017 8:24
Temer e a comunicação na Previdência

Ao mesmo tempo em que surge um “movimento” para apoiar a aprovação da PEC 287, Planalto aposta em nova campanha publicitária como forma de convencer jovens

Por Glauco Faria, para a RBA

O jornal O Estado de S.Paulo noticiou, no último dia 6, que um novo “movimento” surgia para se contrapor à chamada reforma da Previdência. Batizado de “Apoie a reforma”, teria como um de seus principais articuladores Luiz Felipe d’Ávila, que também é presidente do Centro de Liderança Pública (CLP), organização voltada ao desenvolvimento de líderes públicos.

Trata-se de uma rara tentativa de um segmentos da sociedade civil se colocando a favor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287. Antes, organizações como o Movimento Brasil Livre (MBL) e Vem Pra Rua tentaram defender a necessidade de alterações no sistema previdenciário, mas fracassaram ao tentar angariar apoio popular.

Agora, o jogo pode ser mais pesado. O jornalista Fernando Brito, em post do Tijolaço, observa que o CLP é mantido por alguns grandes atores do setor financeiro-econômico. Como diz o próprio site, a entidade “conta com o apoio manifesto ou anônimo de pessoas físicas e jurídicas comprometidas com a promoção de mudanças transformadoras na sociedade por meio da liderança pública”. Entre aqueles que se comprometem publicamente, estão a BM&F Bovespa, o BTG Pactual, o Credit Suisse, o Itaú Unibanco e nomes como o de Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central na era FHC e hoje principal acionista da Gávea Investimentos.

O movimento já teria um site. No entanto, como o Apoie a Reforma é uma página apócrifa, sem ter nenhum responsável nomeado (pelo menos até as 15h30 de 10 de abril), é difícil até afirmar que se trata de um site oficial. Mas o discurso governista está todo ali. Primeiro, prega-se o caos em caso de não aprovação da PEC 287. Depois, nomeia-se um inimigo: um “contingente de privilegiados do funcionalismo público”.

A tática é similar à já apresentada por Michel Temer em vídeo divulgado nas redes sociais naquela quinta-feira (6), quando colocou no mesmo balaio aposentadorias de políticos e dos servidores públicos. O presidente, obviamente, não fez menção às especificidades do serviço público, como o fato de não existir Fundo de Garantia do Tempo de Serviço para a carreira, por exemplo. Afinal, o objetivo é mostrar que a reforma vai “acabar com privilégios”, quando, no máximo, ela conseguiria nivelar todos por baixo, excluindo milhões de pessoas do acesso a benefícios previdenciários.

O site de apoio à proposta do Planalto pede ainda que os visitantes pressionem os parlamentares a votar a favor da reforma, utilizando a mesma tática daqueles que se organizam contra as alterações. Difícil pensar que, somente com a estratégia do terror ou com a criação e um inimigo, o governo e seus parceiros vão reproduzir igual pressão que os opositores da PEC 287 têm conseguido fazer não só por meio da internet, mas por mobilizações e mesmo com a colocação de outdoors em diversas cidades brasileiras.

Cabe lembrar que a iniciativa surge dias depois de o presidente ter buscado, em um jantar que teve como anfitrião Carlos Jereissati, presidente do Grupo Iguatemi, o apoio de empresários para aprovar a reforma. Estiveram presentes no encontro Carlos Alberto Sicupira, da Ambev, nome frequente na lista dos bilionários da Forbes; José Roberto Ermírio de Moraes, da Votorantim; além de representantes de instituições poderosas como Luiz Carlos Trabuco, do Bradesco, e Pedro Passos, da Natura.

A campanha sobre a Previdência informa alguma coisa?

À investida de “parceiros” de fora do governo – leia-se instituições financeiras e similares –, soma-se também a nova campanha publicitária que o governo prepara, com foco nos jovens. Aliás, a promoção dessas peças publicitárias só será possível depois da decisão da ministra Cármen Lúcia que, na semana passada, autorizou o governo a voltar a veicular propaganda relativa à PEC 287.

Em 15 de março, a juíza  Marciane Bonzanini, da 1ª Vara Federal de Porto Alegre, disse na fundamentação da decisão que determinou a suspensão da propaganda do Planalto que a campanha “busca tão somente angariar apoio popular a um projeto do Governo Federal – cujo teor não é divulgado nas peças – e o faz por meio da ampla e contundente divulgação de mensagens que não trazem informação alguma, senão disseminam insegurança e medo na população, ao enfatizarem que os benefícios e as aposentadorias podem deixar de ser pagos, caso a reforma proposta pelo Governo Federal não se concretize”.

Para a presidenta do STF, segundo o texto da decisão que liberou a veiculação das peças publicitárias, a disseminação da insegurança não é propriamente um problema. “Alarde feito sobre o projeto de emenda constitucional pode desestabilizar pessoas causando-lhes insegurança e angústia, por perceberem o direito ao benefício previdenciário se afastar de si, mas talvez seja esse o mote que impulsionará os cidadãos a buscar dela conhecer e sobre ela se informar. Assentado o convencimento sobre a questão e fixada a opinião favorável ou desfavorável à medida, poderá o cidadão se organizar e influir no debate democrático que se travará sobre a proposta de reforma e seu alcance.”

Parece que o terror difundido pelo governo pode ser “bom” e motivar as pessoas a se “informarem”. Em outro trecho, diz a ministra: “Ressalte-se que o desvirtuamento das informações prestadas ecoa quase tão gravemente quanto a ausência delas, pois ambas representam desatendimento ao princípio da publicidade e descumprimento dos deveres de transparência e de informação. Se, de um lado, a divulgação de informações contraditórias e desencontradas é um mal, de outro, a alienação representa mal maior, por subtrair do cidadão a capacidade de se definir, de se organizar e propor soluções alternativas, valendo-se, para tanto, da capacidade de influir sobre os representantes que elegeu”.

Ou seja, tem-se a impressão de que o governo pode divulgar “informações contraditórias e desencontradas” porque pior seria se nada divulgasse. Dado que o debate público tem ainda, ao lado da proposta do governo, a maior parte da mídia tradicional, a decisão não atende a qualquer princípio de justiça ou equidade. Pende para um lado e prejudica quem de fato deveria ser informado. Em um batalha na qual o governo está perdendo, pode ser um alento para os defensores da reforma.

Foto de capa: Beto Barata/PR

Leia também:

Para deputado governista, “reforma” da Previdência “já foi, acabou”

Vídeo de Temer mostra que desinformação é estratégia para aprovar PEC 287

Você também pode ler!

‘Esta é uma greve para construir o Brasil’, diz Bresser-Pereira

Pode ser “a maior manifestação política de nossa história”, afirmou um dos presentes a encontro na USP que reuniu

Read More...

Em nota para o 1º de Maio, CNBB acusa governo e Congresso e diz que reformas são inaceitáveis

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou na noite de quarta (27), véspera da greve geral, uma

Read More...

Brasil amanhece parado em dia de greve geral

Diversas capitais do país e cidades do interior amanheceram com atos contra as medidas de Temer Do Brasil de

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu