PT recorre contra a sanção do PL 4302 e tramitação da PEC 287

Supremo será chamado a decidir sobre Previdência e terceirização

In Destaques, Notícias 3 abril, 2017 15:31

O PT apresentará ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra o PL da Terceirização, sancionado na sexta-feira. E o deputado Patrus Ananias ingressou com um mandado de segurança contra a tramitação da PEC 287, da “reforma” da Previdência.

O Partido dos Trabalhadores anunciou que vai apresentar ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) contra o projeto de lei 4.302, que generaliza a terceirização para todas as atividades das empresas, sejam públicas ou privadas.

Nota assinada por Rui Falcão, presidente Nacional do PT; deputado Carlos Zarattini (SP), líder do PT na Câmara; e pela senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), líder do PT no Senado ressalta que o PL praticamente impõe o contrato temporário como regra, em ofensa aos direitos constitucionais, à dignidade da pessoa humana, aos valores sociais do trabalho e, no caso da Administração Pública, ao princípio constitucional do concurso público. “Além do mais, a aprovação do projeto violou o devido processo legislativo, pois sequer se apreciou o pedido de sua retirada feito pelo presidente Lula em 2003”, diz a nota.

Aqui, o texto na íntegra.

PEC 287
Já o deputado Patrus Ananias (PT-MG) impetrou no STF mandado de segurança com pedido de liminar para que seja suspensa a tramitação da PEC 287/2016 e, depois, sejam anuladas as decisões do Legislativo sobre a proposta, apresentada pelo governo para reformar a Previdência.

Patrus argumenta, em resumo, que a PEC foi admitida na Comissão de Constituição e Justiça e tramita em Comissão Especial da Câmara desrespeitando a Constituição, porque o governo não tornou público até agora nenhum estudo atuarial que confirme a necessidade das mudanças que propõe.

O secretário da Previdência, Marcelo Caetano, afirma o PT, anuncia que a reforma se baseia no “aumento da expectativa de vida da população” e na “fragilidade financeira” do sistema. Mas o desequilíbrio do sistema, que segundo o governo fundamenta a redução da cobertura previdenciária e o maior rigor no acesso aos benefícios, não foi demonstrado pelo próprio governo.

Veja aqui o texto da Adin.

(Foto: Divulgação/STF)

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu