Somente com malabarismos financeiros se encontra déficit na Previdência

In Destaques, Notícias 21 fevereiro, 2017 9:13
campanha contra a reforma da previdencia

Artigo de Allan Titonelli, procurador da Fazenda Nacional, explica como o governo distorce dados para apresentar um “rombo” que não existe

“Enganosa” é a palavra que Allan Titonelli, procurador da Fazenda Nacional, membro da Comissão Nacional da Advocacia Pública do CFOAB, ex-presidente do Fórum Nacional da Advocacia Pública Federal e do Sinprofaz, usa para definir a conta do governo que afirma existir um déficit na Previdência. Ele não está sozinho: o Previdência, Mitos e Verdades tem publicado diversos artigos e entrevistas de especialistas mostrando que o fundamento do governo para a “reforma” é falacioso. Em um artigo escrito para o Conjur, Titonelli diz que somente com malabarismo financeiros se encontra déficit. E enumera algumas razões para isso:

. Diversos benefícios pagos pelo governo federal não possuem natureza previdenciária mas estão alocados no orçamento na conta da Previdência Social (e não da Seguridade Social, mas o governo não gosta dessa conta). Titonelli cita como um dos exemplos o Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC-Loas).

. A Desvinculação de Receitas da União (DRU), que, conforme consta das próprias explicações do site oficial do Senado, constitui-se principalmente de receitas oriundas das contribuições sociais, as quais integram receitas da Previdência. Ou seja, retiram-se recursos da previdência pública para pagar outras contas. Criada em 1994 com o nome de Fundo Social de Emergência (FSE), essa desvinculação foi instituída para estabilizar a economia logo após o Plano Real. No ano 2000, o nome foi trocado para Desvinculação de Receitas da União. Na prática, permite que o governo aplique os recursos destinados a áreas como Educação, Saúde e Previdência Social em qualquer despesa considerada prioritária e na formação de superávit primário. A DRU também possibilita o manejo de recursos para o pagamento de juros da dívida pública.

. Incontáveis incentivos fiscais e isenções concedidas pela União nos últimos anos, os quais determinaram renúncias de verbas previdenciárias que, somadas, ultrapassaram 58 bilhões de reais só no exercício de 2014, segundo dados do TCU.

. Titonelli contesta a afirmação de que o regime próprio dos servidores civis da União seja deficitário. De acordo com ele, o modelo proposto pelo governo tenta transverter uma lógica privada para o setor público, que possui diversas peculiaridades, entre elas o fato do empregador público pagar encargos patronais menores; do servidor público não possuir direito ao FGTS; do servidor público aposentado ou pensionista, sujeito ao regime próprio, continuar contribuindo à Previdência, entre outros. Além disso, a União custeia o pagamento de reformas e pensões dos servidores militares federais e do Distrito Federal sem que haja uma contrapartida desses. Esses segmentos representam cerca de 45% dos gastos da União com aposentadorias e pensões, o que não justifica qualquer desequilíbrio previdenciário imputado aos servidores civis da União.

Veja o artigo na íntegra aqui.

Leia também:

Previdência: hora de pressão sobre os parlamentares

Deputados da base governista: “não vamos ‘apanhar’ sozinhos no Congresso”

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu