31 de março

Secretário-geral da Intersindical espera grandes manifestações nesta sexta

In Capa, Notícias 30 março, 2017 15:54

Edson Carneiro Índio, secretário-geral da central sindical Intersindical, conversou com Previdência, Mitos e Verdades sobre as manifestações programadas para este 31 de março: “A expectativa é muito boa. Esperamos manifestações expressivas em todo o Brasil, num movimento crescente até a greve geral em 28 de abril”.

 

Para o sindicalista, a aprovação da terceirização das relações de trabalho pela Câmara dos Deputados espraiou uma insatisfação que já era expressiva, contra a reforma da Previdência: “havia uma insatisfação grande com a Previdência, e a terceirização praticamente convocou os jovens para a luta, pois é o futuro deles que estará mais comprometido com o fim de relações de trabalho mais estáveis e institucionalizadas –cortaram o futuro da juventude.”

Índio esteve durante toda a quarta-feira no Congresso Nacional e revela que o cenário é muito confuso. “A impressão é que o Temer radicalizou. Ele perdeu base na votação da terceirização, e a lógica indicaria necessidade de negociar, mas tudo indica que, para se manter no poder, ele precisa continuar a fazer o ‘serviço sujo’ e entregar todo o pacote de reformas prometidos aos que se julgam donos do Brasil.  Parece que se ele não garantir a aprovação de todas as reformar ele não se aguenta”.

Para agravar o cenário, explicou o sindicalista, o cenário em torno da terceirização está conturbadíssimo. “Eles obtiveram uma vitória muito importante, mas o texto aprovado, o PL 4302, se por um lado é muito mais selvagem no sentido da precarização  selvagem, que é o desejo do empresariado, por outro lado tem uma fragilidade jurídica patente, o que pode atravancar sua implementação”.

O caminho que parecia definido pelos estrategistas do governo, de aprovar o outro projeto de terceirização no Senado (o PLC 30), menos radical mas mais consistente juridicamente, foi, segundo Índio, abandonado pelo governo: “Não se sabe bem, mas parece que eles tentarão superar as fragilidades jurídicas do projeto ao longo da aprovação dos demais projetos da reforma trabalhista”. O PL 4302, que pareceu num primeiro momento “o bode na sala”, segundo o líder da Intersindical, acabou aprovado, representando um desastre em larga escala para os trabalhadores e trabalhadoras ainda mais com seus efeitos sobre a Previdência, que perderá recursos imensos.

Mas há muita incógnita à frente: ele será implementado como foi aprovado ou ainda sofrerá adaptações?; como a Justiça do Trabalho reagirá a ele?; e o STF? São perguntas ainda sem resposta, segundo o sindicalista.

 

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu