“Previdência que não protege é imprevidência social”: associações divulgam nota dura contra a PEC 287/2016

In Destaques, Notícias 5 fevereiro, 2017 9:09

Para entidades representativas de juízes, procuradores, auditores, atuários e aposentados, pontos centrais da “reforma” são inadmissíveis

Dez entidades representativas de magistrados, membros do Ministério Público, auditores, atuários e aposentados de todo o país, além da Auditoria Cidadã da Dívida, divulgaram na quinta-feira (2) uma nota para denunciar publicamente os retrocessos da “Reforma” da Previdência (PEC 287/2016).

“Previdência que não protege é imprevidência social”, diz a nota. Seus dez pontos não deixam pedra sobre pedra. As associações criticam os pressupostos da “reforma”, sua tramitação sem amplo debate com a sociedade e a maneira como ela desconsidera a realidade do trabalho no Brasil. Também questionam sua constitucionalidade (“está em franca colisão com princípios e garantias inerentes à Constituiçãode 1988 e aos tratados internacionais de que o Brasil é signatário”) e reagem contra o propósito de destruir direitos fundamentais dos brasileiros. Consideram “inadmissíveis e inegociáveis” pontos centrais da PEC 287:

(a) a arbitrária supressão dos regimes de transição em detrimento de quem, já estando vinculado a um regime de previdência pública,  tenha menos de 45/50 anos à época da promulgação da emenda, adotando lógica própria dos seguros privados, em afronta aos princípios de isonomia e de solidariedade previdenciária e os próprios direitos em formação de quem já havia sido colhido pelas EC 20/1998 e 41/2003;

(b) a igualação das idades mínimas de homens e mulheres para a aposentadoria, esquecendo-se da condição real da mulher, ainda hoje desprivilegiada no mercado de trabalho;

(c) a redução das pensões, apesar dos cortes já sofridos por ocasião da EC 41/2003, proibindo-se a sua acumulação com aposentadorias;

(d) a retirada do caráter público dos fundos complementares de previdência dos servidores públicos, sujeitando-os à privatização pura e simples;

(e) a mudança, para pior, das regras de abono de permanência e da fórmula de cálculo do salário-de-benefício dos segurados; e assim sucessivamente.  

A nota é assinada por: Anamatra, Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho; AMB, Associação dos Magistrados Brasileiros; Conamp, Associação Nacional dos Membros do Ministério Público; ANPT, a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho; APNR, a Associação Nacional dos Procuradores da República; ANMPM, a Associação Nacional do Ministério Público Militar; ANFIP, a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil; ALJT, a Associação Latino-Americana de Juízes do Trabalho; ATUAS, a Atuários Associados; Anadips, a  Associação Nacional dos Aposentados, Deficientes, Idosos, Pensionistas e dos Segurados da Previdência Social e pela Auditoria Cidadã da Dívida.

Leia também:

PEC 287: o desmonte passado a limpo

Reforma da Previdência, proteção ao mercado e desvalorização da vida

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu