O desmonte da proteção social: a reforma da previdência é o golpe final

In Capa, Entenda, Notícias 20 julho, 2017 14:07

O que esperar de um país que, mesmo diante da imensa desigualdade, deixa sem proteção os cidadãos que mais precisam? A reforma da previdência vai destruir a proteção social no Brasil. É correto que os trabalhadores do país paguem a conta da dívida e do rombo previdenciário? Assista o último episódio da web-série ‘Reforma da Previdência: você acha justo?’ aqui, no Previdência, mitos e verdades

Os mais vulneráveis da sociedade estão em perigo. O governo golpista compra apoio e defende os interesses do mercado, que busca enriquecer destruindo a seguridade social, os direitos trabalhistas e vai aumentar a carga tributária, que já é enorme no Brasil. A reforma da previdência poderá destruir um dos principais mecanismos de proteção social existentes neste país gigante e desigual.

Hoje, mais de 90 milhões de brasileiros são beneficiários da previdência social ganhando, em sua maioria, o piso do salário mínimo: R$ 937,00 por mês. Cerca de 82% dos idosos do país estão com a velhice minimamente protegida por ter acesso à aposentadoria.

Os trabalhadores do campo também estão seguros: cerca de 30% da renda das famílias camponesas vem de benefícios da previdência – uma garantia de sobrevivência diante de um trabalho que sofre as intempéries do tempo e tem resultados ligados ao bem-estar da natureza. Portanto, a previdência rural é um incentivo para que o trabalhador rural esteja no campo, produzindo alimentos e girando a economia nacional.

Aproximadamente 30% da queda dos índices de desigualdade social no Brasil vem da previdência.

Menos de 1% dos idosos estão em situação de extrema pobreza.

Com a reforma da previdência proposta pelo governo golpista, esse número vai saltar de 1% para quase 50%. Ou seja, haverá milhares de idosos em situação de miséria.

O governo defende esse modelo de reforma como ajuste fiscal, necessário para tirar o Brasil da crise. Porém, o que está em jogo não são as finanças; é o modelo de país que olha para os mais necessitados que está sendo empurrado para fora do tapete, em nome do capitalismo.

Além disso, a reforma da previdência está sendo proposta e apoiada por políticos de todas as esferas do poder que respondem por crimes de corrupção gravíssimos, a começar pelo presidente Michel Temer.

Será que a única saída para fazer o país voltar a crescer é essa reforma excludente e cruel?

Será que temos de confiar em um grupo que encobre crimes e defende os interesses do mercado?

Assista o último episódio da web-série ‘Reforma da Previdência: você acha justo?’, elaborada pela Plataforma Política Social com narração do ator Herson Capri:

 

Aqui no Previdência, mitos e verdades, selecionamos todos os dias matérias, reportagens, pareceres, análises, vídeos e textos divulgados por entidades, profissionais de diversas áreas e pela imprensa alternativa com números e argumentos que derrubam todas as teses que o governo usa para defender a necessidade da reforma da previdência da forma que está projetada.

Acreditamos na necessidade de reformulação, desde que seja feita sem que o povo pague a conta dos mais ricos e o trabalhador morra sem se aposentar. Existem formas de transformar o país sem que o povo assuma a responsabilidade que é dos grandes desses país, que sonegam, roubam e alimentam um sistema corrupto.

Leia, compartilhe e faça parte dessa luta contra o desmonte da aposentadoria.

Não à reforma da previdência!

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu