Contra o golpe

Novo ato contra as reformas acontece dia 20 em São Paulo

In Agenda, Destaques, Notícias 18 julho, 2017 11:09

Manifestação está marcada para o próximo dia 20, às 17h, na Avenida Paulista.

Da RBA

Movimentos sociais, centrais sindicais, organizações de negros e mulheres e partidos políticos do campo progressista se reuniram na tarde desta sexta-feira (14), para articular a manifestação convocada para o próximo dia 20, em defesa da democracia, do ex-presidente Lula, contra as reformas trabalhista e da Previdência, por eleições diretas já, contra a volta da fome, e pelo ‘Fora Temer’. O ato está marcado para 17h, em frente ao Museu de Artes de São Paulo (Masp).

Condenado em primeira instância pelo juiz Sergio Moro, o ex-presidente pode ser tornar inelegível e ficar fora da disputa eleitoral de 2018 caso a sentença seja confirmada em segunda instância.

“Será um ato em defesa da democracia. Entendemos que uma eleição sem Lula é uma fraude”, afirmou Douglas Izzo, presidente da CUT-SP, após sair da reunião realizada na sede estadual do Partido dos Trabalhadores (PT). “Precisamos mostrar para o povo que a condenação do Lula faz parte do jogo político dos golpistas. Primeiro foi a retirada do mandato da Dilma sem crime de responsabilidade, e agora a nova fase do golpe é inviabilizar a candidatura do principal candidato. O ato do dia 20 é para colocar esse debate na sociedade.”

Ao projetar o julgamento do ex-presidente na segunda instância, Douglas Izzo disse só esperar que a justiça seja feita. “Não há elementos para a condenação do Lula. O juiz Moro age com indícios, não há provas e não se está aplicando a presunção da inocência”, ponderou.

O presidente da CUT-SP disse ainda que o ato no próximo dia 20 também será contra a nova lei trabalhista, sancionada na quinta-feira (13) por Michel Temer. Segundo Izzo, a partir de agora a CUT vai atuar para que a adoção da nova lei encontre resistência na base dos trabalhadores.

“Vamos dificultar ao máximo a implantação da lei, que traz prejuízos sem precedentes aos trabalhadores”, afirmou.

 

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu