Em vídeo

“Novas regras deixam vulneráveis trabalhadores do campo e da cidade”, alerta líder rural

In Destaques, Notícias 19 julho, 2017 11:23

Aprovada no Senado Federal, no último dia 11 de julho, a reforma trabalhista (PLC 38/2017), que promove a revisão de mais de uma centena de itens da CLT, tem sido considerada a medida mais cruel adotada contra os trabalhadores e trabalhadoras do meio urbano e rural.

Com dezenas de pontos rechaçados pelas centrais sindicais, a reforma impõe um retrocesso de décadas ao país, sob a alegação de modernização e criação de empregos. Uma falácia contestada por inúmeros especialistas e sindicalistas.

Segundo levantamento do Congresso Em Foco, 37 dos 50 senadores que aprovaram o extermínio da CLT são empresários diretamente interessados em aumentar os lucros explorando seus empregados.

“Essa reforma vem para saciar a sede de lucro dos ruralistas e empresários e deixa o trabalhador totalmente vulnerável. No campo, onde as condições de trabalho são precárias esse quadro tende a se agravar com as novas regras”, revela Sérgio de Miranda, secretário de Políticas Agrícola e Agrária da CTB e 2º vice-presidente da Federação dos Trabalhadores e Agricultura do Rio Grande do Sul (Fetag-RS).

A prevalência do negociado sobre o legislado, o aumento da jornada de trabalho, a permissão de trabalho intermitente e a falta de garantias para a trabalhadora gestante e lactante são alguns dos pontos que mais preocupam sindicalistas.

“A regra que permite o trabalho intermitente vai ser um desafio, pois o empregador poderá dispor da mão de obra só quando necessário, ficando o trabalhador à disposição o restante do mês. Sem falar que permite que acordos e convenções coletivas prevaleçam sobre a lei trabalhista, mesmo que tragam prejuízos aos trabalhadores. Teremos sindicatos fragilizados e empregados reféns dos empregadores”, afirmou Miranda.

Outra preocupação se refere à questão do trabalho escravo. As novas regras devem deve banalizar a prática e dificultar a prevenção do trabalho escravo.

Ainda que a reforma não altere a forma como o trabalho escravo é caracterizado pela legislação, o texto traz várias mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) que afetam o combate ao crime.

Entre elas, estão a ampliação da terceirização, a contratação de autônomos de forma irrestrita, e a possibilidade de aumentar a jornada de trabalho e de reduzir as horas de descanso.

Para Sérgio de Miranda, o cenário é desolador e preocupante, mas os trabalhadores e trabalhadoras não podem se deixar abater, pois a luta continua.

“A luta não acabou. Perdemos uma batalha importante, mas guerra contra a retirada dos direitos seguirá. Vamos continuar mobilizados porque novos desafios estão por vir e a CTB, continuará mobilizada e resistente. A luta continua”, conclamou o sindicalista.

Do Portal CTB

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu