‘Não posso ficar preso à população. Se for pelo que ela acha, não teria reforma’

In Destaques, Notícias 18 maio, 2017 10:43

Relator da proposta de reforma da Previdência, Arthur Maia (PPS-BA), admite que governo não tem os votos para aprovar a PEC 287. “Eu não acho que esteja no tempo de votar, não”

Da RBA

O deputado federal Arthur Maia (PPS-BA) negou, em entrevista concedida ao jornal O Estado de S. Paulo publicada hoje (17), que a proposta de reforma da Previdência, da qual foi relator, tenha mantido privilégios. “Eu não posso ficar preso no que a população acha. Porque se for pelo que a população acha, não teria reforma. Privilégio é deputado se aposentar com dois mandatos. Eu poderia ter me aposentado com 28 anos pela Assembleia da Bahia, mas achei feio demais. Se você me disser qual é o privilégio que tem nessa reforma, dou a mão à palmatória.”

Na avaliação de Maia, os trabalhos na comissão especial que analisou o tema foram conduzidos de forma transparente. “Como um deputado que apoia o governo, que votou no impeachment e quer o sucesso do governo, não me interessa fazer uma reforma que não vai resolver o problema da Previdência”, afirmou.

Para o parlamentar, o governo não teria hoje votos suficientes para aprovar a PEC 287 no plenário da Câmara dos Deputados – são necessários 308 votos. “Eu não acho que esteja no tempo de votar, não”, declarou, dizendo em seguida que quem vai definir quando a proposta será votada é o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). “Realmente, existem ainda muitas conversas a serem feitas, muitos esclarecimentos. Na minha opinião, o maior problema da PEC não é mais o texto, mas a desinformação.”

A avaliação de Maia contrasta com a do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que em entrevista dada durante sua participação na 20ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, disse que o governo já tem os votos para a aprovação da reforma. “Acreditamos que sim”, afirmou, quando questionado.

Você também pode ler!

Existem alternativas para a relação entre previdência e o envelhecimento da população

O governo declara que, por causa do envelhecimento da população, se a reforma da previdência proposta por Michel Temer

Read More...

‘Reformas de Temer estruturam um novo colonialismo no Brasil’

Luís Eduardo Gomes, no Sul 21 Quais as consequências da reforma Trabalhista para a classe trabalhadora? Essa foi a

Read More...

Previdência: Excluir para crescer ou crescer com inclusão?

A lógica do raciocínio da reforma proposta pelo governo remete à ‘teoria do bolo’ encampada pelo regime militar nos

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu