Janot entra com ação no STF contra a lei da terceirização

In Contexto, Destaques, Notícias 30 junho, 2017 10:16

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ajuizou na segunda-feira (26), no Supremo Tribunal Federal (STF), uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) contra a lei que libera a terceirização para atividade fim das empresas.

A informação foi divulgada durante audiência pública da reforma trabalhista realizada terça-feira (27) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado que contou com a presença do secretário-geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, Edson Carneiro Índio.

Durante a reunião na CCJ, o Procurador-Geral do Trabalho, Ronaldo Curado Fleury, argumentou que algumas das mudanças propostas pela reforma trabalhista são inconstitucionais, a exemplo do que, acredita ele, ocorre com a lei da terceirização e disse: “Trago uma informação importante […]: ontem, o Procurador-Geral da República ajuizou a Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 5.735 contra a Lei nº 13.429 (sobre a terceirização) disse ele.

“Se aquela lei é inconstitucional, imaginem agora onde a inconstitucionalidade atinge, inclusive, o serviço público, uma vez que permite a terceirização ilimitada no serviço público, como uma forma de burla ao concurso público e de burla ao impedimento do nepotismo”, afirmou Fleury.

Golpe

A lei da terceirização foi desengavetada de um texto de 15 anos atrás em 22 março deste ano pelo Congresso Nacional e sancionada no dia 31 por Michel Temer (PMDB).

O texto da lei da terceirização havia sido elaborado durante o governo entreguista de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e encaminhado à Câmara em 1998. Foi aprovado pelo Senado em 2002 e ficado na gaveta.

À época da sanção de Temer, tramitava no Senado um outro projeto para regulamentar as terceirizações –  e que já era combatido pelos movimentos sociais, num claro golpe aos direitos trabalhistas da classe trabalhadora.

Da Intersindical

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu