Guilherme Boulos: A reforma da previdência é uma ponte para o abismo

In Destaques, Notícias 7 abril, 2017 11:14

Um país sem perspectiva de futuro, uma reforma que vai matar o trabalhador brasileiro. O desmonte do direito a aposentadoria digna depois de uma vida de trabalho duro. A reforma da previdência é uma ponte para o abismo. O Previdência, mitos e verdades reproduz o texto do líder do MTST publicado pela Mídia Ninja, comparando a reforma de Temer a experiências fracassadas de países da Europa

Por Guilherme Boulos, na Mídia Ninja

A reforma da previdência é apresentada pelo governo e pelo mercado como uma necessidade inexorável. Ou se aprova ou a economia brasileira iria ao colapso. Na verdade, se trata pura e simplesmente da versão brasileira de uma política que já produziu efeitos desastrosos ao redor do planeta.

Apontando-nos para Inglaterra e França, o governo tenta comparar a situação brasileira à europeia. Um disparate em vários sentidos, a começar pela distância entre as expectativas de vida aqui e acolá. Estamos mais próximos de Chile e Argentina. Nesses países, a tentativa de individualizar a previdência a partir do modelo de capitalização resultou em responsabilizar apenas o trabalhador por sua aposentadoria, “liberando” o Estado de garantir a proteção aos idosos. O resultado vê-se ainda hoje nas ruas de Santiago: legiões de idosos pedindo esmola e morando nas ruas.

É o caminho pretendido aqui no Brasil por gente como Arthur Maia, o relator da PEC 287, que por sinal sustenta um calote de sua empresa ao INSS e recebeu doação de campanha de fundos de previdência privada. República do escárnio. Como se sabe, a economia brasileira e latino-americana tem um altíssimo nível de informalidade e precariedade, quanto mais pobre se é. Na medida em que se empoderam as Agências de Fundo de Pensão – gerentes da previdência privada – diminui-se a possibilidade de os mais pobres se aposentarem.

Após o vampirismo neoliberal ter se esbaldado com a privatização da previdência no Chile de Pinochet (1981), o governo de Bachelet foi forçado por amplas mobilizações sociais a minimizar o estrago, garantindo o mínimo – ainda assim insuficiente – aos mais pobres. Para se ter uma ideia, a média da aposentadoria administrada pelas AFP’s é de R$ 440,00, enquanto o salário mínimo chileno ultrapassa os R$ 1.200,00.

Na Argentina, a sanha do Consenso de Washington levou o país a adotar, com o presidente Fernando De La Rua, depois deposto, o modelo de capitalização. A promessa de “zerar o déficit” em 10 anos não só não foi cumprida, como foi necessária uma alteração drástica na previdência durante o governo de Nestor Kirchner, novamente trazendo o Estado para espantar as aves de rapina. Naquele cenário, novamente as ruas falavam alto.

As mobilizações sociais latino-americanas barraram muito das contrarreformas neoliberais. Mesmo na Europa, em período recente, as reformas “liberalizantes” foram combatidas duramente. França e Grécia que o digam.

O exemplo grego talvez seja o mais ilustrativo da insanidade destas políticas de austeridade. No contexto dos pacotes impostos pelo FMI e o BC europeu, a Grécia fez uma primeira mudança na previdência em 2010, aumentando a idade mínima para 65 anos, tal como proposto agora no Brasil. Dois anos depois, um novo aumento, para 67 anos. No ano passado, nova “reforma” reduziu o ganho dos aposentados a 60% da média de seus rendimentos ao longo da vida de trabalho.

Junto a isso, uma série de medidas de corte de investimentos sociais, demissões, privatizações e ataque a direitos trabalhistas. Este ano completa o sétimo aniversário da política de austeridade e contrarreformas na Grécia. Os resultados são alarmantes.

O país foi destroçado. A economia encolheu mais de 25% no período. O desemprego alcançou a maior taxa do continente, 26%, chegando a mais de 52% entre os jovens. Quase metade dos aposentados gregos, 45%, estão em situação de pobreza. E a dívida pública? Afinal, o grande motivo da promoção deste desastre era conter o avanço do endividamento e ajustar as contas públicas, não é? Pois bem, a dívida grega subiu de 146% do PIB, em 2010, para 177% em 2015.

Ou seja, a política de “ajuste” às custas do povo produziu um tremendo desajuste. As razões são óbvias: ao cortar investimentos e arrochar a atividade econômica, a arrecadação sempre cai, levando à necessidade do novos empréstimos e produzindo crescentes déficits fiscais. O suposto remédio neoliberal é puro veneno. Só quem ganha é o sistema financeiro internacional. O exemplo grego deveria ser suficiente para desmoralizar esta receita, mas a desfaçatez da banca não tem limites.

Trata-se agora de impedir, enquanto é tempo, que um governo sem voto e um Congresso sem moral completem no Brasil esta ponte para o abismo.

** Guilherme Boulos é formado em filosofia pela USP, é membro da coordenação nacional do MTST, da Frente de Resistência Urbana.

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu