Governo quer abafar conflitos em nome de interesses econômicos

In Destaques, Notícias 21 julho, 2017 11:03

Tanto o presidente da República como da Câmara não querem repercussão do conflito da Reforma Trabalhista na Previdenciária

Do GGN

Após os conflitos públicos gerados entre o presidente Michel Temer e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e os rumores que seguiram desde que o deputado trouxe sinais de que seria favorável ao afastamento do mandatário, com o desgaste de sua imagem e o pós das reformas conquistadas no Congresso, ambos tentam recuperar o diálogo.
O motivo é justamente evitar que as repercussões negativas de um conflito entre o presidente da Casa Legislativa e o presidente da República recaiam sobre as medidas que ainda tramitam, como a Reforma da Previdência.
O receio é que não se repita o ocorrido na Reforma Trabalhista que, após ser aprovada pelo Senado graças a uma suposta concessão de Temer junto a parlamentares indecisos, lido em carta pelo líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), de que enviaria uma Medida Provisória para abrandar alguns dos pontos mais polêmicos, Maia negou que acataria a revisão da Reforma.
O interesse do deputado estava no fato de que o texto original, aprovado pela Câmara por empenho dos aliados e depois também aceito pelo Senado, não fosse modificado. Jucá ignorou que Maia manifestou-se publicamente pelo engavetamento da medida e comunicou que as mudanças já haviam sido enviadas à Câmara.
O tema motivou mais faíscas na relação já supostamente conflitante entre o presidente da República e o da Câmara. Ainda que não integrante do PMDB, Maia apresentou-se como um fiel escudeiro de Michel Temer, assim que o peemedebista assumiu o Planalto. Após o envio das medidas parlamentares ao Congresso, a relação de ambos se estreitou.
Mas uma vez que a continuidade dos projetos como a reforma trabalhista e a previdenciária ficou garantida, Maia revelou sua insatisfação com a imagem desgastada de Temer, após a denúncia contra o presidente enviada pela Procuradoria-Geral da República com o grampo do dono da JBS, Joesley Batista, acusando-o de obstrução à Justiça e outros crimes que devem chegar em forma de peça judicial nos próximos dias.
GGN mostrou como a busca pelo interesse de pautas econômicas, em contra a sociais, é o que prevalece nas articulações do governo Temer com o Congresso. No caso da Reforma trasbalhista, a “modernização” recebeu a promessa de ser atenuada por Michel Temer e Romero Jucá. Em ensaio para “cumprir a palavra”, o governo tinha, por outro lado, a garantia da Câmara pelo “insucesso”, de que manteria as polêmicas contra os trabalhadores.
Estando ou não na Presidência, interessa ao Congresso e ao próprio governo Temer que as medidas sejam mantidas e que, enquanto a denúncia contra o mandatário não é julgada, o que faz os partidos aliados ganharem tempo para se preparar para 2018 e a sucessão, a imagem do peemedebista deve ser preservada o máximo possível.
É nesse cenário que ocorreu o encontro entra Temer e Maia, na noite desta terça-feira (18). O deputado recebeu Temer, ministros e outras figuras políticas para discutir a “reforma da Previdência” e outros temas de interesse.
“Tivemos uma reunião hoje no Palácio do Planalto e o rombo da Previdência previsto para o ano que vem é de R$ 200 bilhões. Isso está constrangendo o orçamento, dificultando investimentos e até trazendo problemas para a prestação de serviço. Então, esse assunto tem que ser encarado com muita realidade. Discutimos a Reforma da Previdência, precisamos fazer uma avaliação, a questão da sistematização e simplificação do sistema tributário, os sistemas de previdência e saúde. Foi uma reunião muito proveitosa”, disse o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy.

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu