Evento intercontinental divulga documento contra mudanças na Previdência

In Destaques, Notícias 17 julho, 2017 10:48

Representantes de aposentados e idosos de toda a América Latina e Caribe assinaram uma Moção de Repúdio contra as “determinação do governo brasileiro em realizar reformas sobre temas do trabalho e Previdência Social”. O documento foi lido em plenário durante a Reunião Regional da Sociedade Civil – Madri+15, realizada em Ypacaraí, Paraguai.

Segundo a moção, as reformas estão sendo feitas com “o único fim de penalizar os mais frágeis e com a exclusão dos direitos históricos conquistado com o suor e sangue de muitos”. E ressalta que elas “atendem somente as exigências do poder econômico e do mercado financeiro”.

PUBLICIDADE

A Reunião Regional Madri+15, em Ypacaraí, segue agenda internacional que, desde 2002, quando foi aprovado o Plano Mundial e a Declaração Política sobre Envelhecimento e Velhice, na capital espanhola. Neste ano, foram 350 delegados inscritos representando 18 países. Entre eles Chile, Brasil, Colômbia, Peru, Costa Rica, Argentina, México, Bolívia e República Dominicana.
A expectativa das entidades brasileiras é a de sensibilizar os congressistas contra a reforma da Previdência, já que a trabalhista foi sancionada ontem.

Ao final, foi divulgado um documento, a Declaração de Ypacaraí. “Reconhecemos o importante avanço que significa a aprovação da Convenção Interamericana sobre os Direitos Humanos dos Idoso<CS10.3>s conclamamos os Governos a assinar, ratificar e cumpri-la”, destaca um dos pontos da declaração. O documento, de nove páginas, também aborda questões como previdência, saúde, pobreza e desigualdade, maltrato e atenção institucional.

Na semana passada uma cópia da Declaração, bem como da Moção de Repúdio foram entregues ao senador Paulo Paim (PT-RS), vice- presidente da Comissão de Direitos Humanos do Senado, em Brasília.

Assistencialismo
Em um dos tópicos, o documento chama a atenção para o fato de que as políticas públicas voltadas para os idosos e aposentados “foram reduzidas a um enfoque subsidiário e assistencialista, mantendo os idosos como objeto de compaixão e não como sujeitos titulares de direitos”.
Também destaca o maltrato em suas diferentes formas – físico, financeiro, patrimonial, econômico, psicológico, social e institucional.

E ressalta que “não houve diminuição e sim aumenta dia a dia”. O documento ainda levanta questões do trabalho, com enfoque na aposentadoria e na previdência, além de questionar a pobreza e a desigualdade de renda..

Fundamentos

Neste ano de 2017 completam-se 15 anos desde que foi aprovado o Plano Mundial e a Declaração Política sobre Envelhecimento e Velhice, discutido e aprovado em Madri, em 2002. O tema foi retomado para que seja feita uma avaliação sobre os avanços e as deficiências detectadas neste período.

Assim, ao final foi elaborado o documento com a participação de várias entidades – desde as especializadas em saúde e confraternização, como as que têm como bandeira a defesas por mais direitos civis e cuidados com a previdência social e aspectos mais políticos.
A próxima reunião para a discussão e avaliação do tema do envelhecimento está prevista para o ano de 2022.

Do Hoje em Dia

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu