Em SP, metrô, bancos e correios indicam adesão na greve geral do dia 30

In Agenda, Destaques, Notícias 27 junho, 2017 11:21

A mobilização nacional é contra as reformas trabalhista e da Previdência propostas por Michel Temer

Do Brasil de Fato

Metroviários, bancários e trabalhadores dos correios de São Paulo são algumas das categorias mobilizadas para aderir à paralisação no dia 30 de junho, quando ocorre uma nova greve geral.

A mobilização nacional é contra a reforma trabalhista e da Previdência, propostas pelo governo golpista de Michel Temer, do PMDB.

Os sindicatos já demonstraram apoio à paralisação convocada pelas centrais sindicais.

Os movimentos populares que compõem as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo também apoiam a paralisação.

O coordenador geral do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, Wagner Fajardo, reafirmou a participação da categoria, na tentativa de reverter a posição do governo federal em manter a tramitação das reformas.

“Nós entendemos que a nossa categoria tem um papel estratégico na realização da greve, até porque transporta 4,5 milhões de usuários por dia. É uma categoria extremamente importante para participar desta mobilização.”

As centrais sindicais e os movimentos populares unificaram o calendário de ações, o chamado “Junho de Lutas”, que vai culminar na greve geral da próxima semana.

Durante todo o mês, manifestações ocorreram em diversas capitais, como Florianópolis, Salvador, Campo Grande, São Luís, Cuiabá e Porto Alegre.

Adilson Araújo, presidente da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), afirma que a construção desta greve em repúdio à agenda de retrocessos é resultado da articulação permanente das entidades.

“Embora seja um período onde, por exemplo, a educação esteja em um período em que todo mundo vai estar em recesso, esse desejo de ganhar as ruas ele vai se alimentando também à luz de uma eclosão de atividades que vêm acontecendo em todo o país.”

Para o presidente da CTB, a decisão da Comissão de Assuntos Sociais do Senado que rejeitou, na terça-feira, dia 20, o parecer do relator do projeto de lei sobre a reforma trabalhista deu fôlego e otimismo ao movimento.

A proposta deve passar por mais uma análise na Comissão de Constituição e Justiça na quarta-feira, dia 28. Já a votação no Plenário do Senado está prevista para o período entre 5 e 12 de julho.

Júlio Turra, da Central Única dos Trabalhadores (CUT), afirma que a expectativa das centrais é que a paralisação nacional antecipe uma grande mobilização no segundo semestre em torno da Reforma da Previdência.

“Estamos mobilizando. Não deixaremos passar em branco a reforma trabalhista e estamos alertando nossa bases, fazendo atividades, panfletagem e assembleias e plenárias. A receptividade é boa.”

Outras categorias ainda vão decidir em assembleias o posicionamento sobre a greve geral do dia 30 de junho, como o setor de transportes – ferroviário, marítimo e de cargas.

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu