Em junho, mais greve geral contra a reforma da previdência e reforma trabalhista

In Agenda, Destaques, Notícias 30 maio, 2017 12:45
Após reunião entre as centrais sindicais no final da tarde desta segunda-feira (29) para avaliar as manifestações ocorridas em Brasília na semana passada, lideranças sindicais alinharam uma nova greve e manifestações esporádicas contra as reformas Trabalhista e Previdenciária em vários estados 
São Paulo, 30 de maio de 2017 – Lideranças das centrais sindicais brasileiras se reuniram no final da tarde desta segunda-feira (29), na cidade de São Paulo (SP), onde avaliaram como positivas as manifestações ocorridas em Brasília (DF) na semana passada. Apesar de alguns focos de confusão condenados pelos organizadores, sindicalistas falam em “grande união da classe trabalhadora e adesão maciça da população” contra as reformas Trabalhista e Previdenciária. As centrais também aproveitaram para organizar uma nova greve geral, que deve ocorrer na última semana de junho, mas ainda sem data específica definida.
“Apesar de alguns focos de tensão, os protestos foram pacíficos e mostraram a união da classe trabalhadora. Ficamos orgulhosos em ver vários setores da sociedade civil organizada juntos, numa só bandeira suprapartidária. Também condenamos atos de violência e vandalismo ocorridos, bem como lamentamos a truculência da polícia militar, que chegou a usar arma letal e feriu um aposentado que participava do ato”, afirmou José Calixto Ramos, presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST).
Calixto também disse que haverão novas manifestações em vários estados de forma constante, para manter a população consciente das propostas prejudiciais aos trabalhadores e trabalhadoras que tramitam no Congresso, além da criação de uma comissão para falar individualmente com cada senador. “A ideia é manter o foco contra as reformas defendidas pelo governo, para continuar alertando a população sobre os riscos que corremos de perda de direitos trabalhistas, culminando numa nova greve geral ao fim do mês que vem. O dia será entre 26 e 30 de junho, mas a data específica ainda será avaliada pro todos nós”, finaliza.
Na próxima segunda-feira (05/06), às 10h, as centrais sindicais farão uma nova reunião na sede da NCST, em São Paulo (SP), para definir os próximos passos do movimento sindical contra as reformas. Participam da reunião: Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), Força Sindical (Força), Central Única dos Trabalhadores (CUT), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Central Sindical e Popular (CONLUTAS) e Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB).

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu