É GREVE GERAL em defesa da aposentadoria e direitos trabalhistas

In Agenda, Destaques, Notícias 28 junho, 2017 11:00

30 de junho é dia de parar o Brasil contra o fim dos direitos do povo brasileiro

Fortalecer a Greve Geral, preparar fortes paralisações da produção e da circulação e realizar grandes manifestações em todo o país. Esses são os principais desafios dos próximos dias colocados para todas as organizações que realmente se orientam pelos interesses da classe trabalhadora e da maioria do povo brasileiro.

derrota do governo ilegítimo na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado na votação do texto da ‘deforma’ trabalhista aponta que é possível impedir o desmonte dos direitos, a super exploração do trabalho e a fragilização completa da organização dos trabalhadores.

A ampla unidade construída até aqui foi fundamental para a realização das lutas que travamos nos últimos três meses. Não há saídas por fora da unidade da classe trabalhadora.

Apostar na negociação com o ilegítimo é uma ilusão que já se demonstrou fracassada. Basta lembrar a promessa feita por Temer quando da sanção ao PL 4302 que estendeu o período de contrato temporário e ampliou as possibilidades de terceirização geral e irrestrita. Temer só cumpre acordos com o grande capital que financiou sua ascensão golpista à presidência. E esses acordos espúrios pressupõem desmantelar a Constituição Federal para permitir o rebaixamento brutal dos salários e direitos em benefício dos grandes empresários.

Além da Greve Geral marcada pelas centrais sindicais e assumida por todas as forças democráticas e progressistas realmente comprometidas com a classe trabalhadora, é fundamental ampliar a pressão sobre os parlamentares. Quem votar contra a classe trabalhadora vai sofrer as consequências nas urnas e também nas ruas.

É preciso registrar, também, que a manutenção de Temer ou sua substituição de forma indireta pelo Congresso são a garantia para o grande capital dar sequência aos planos de desmonte dos direitos sociais, de entrega das riquezas nacionais e dizimar a soberania nacional em benefício dos banqueiros e rentistas.

Por isso, nossa luta é também pelo Fora Temer e por eleições diretas já. O destino do nosso país e do povo brasileiro não pode ficar nas mãos dos vende-pátrias instalados no parlamento, na mídia, no judiciário e outras estruturas antipopulares. Que o povo brasileiro decida – nas urnas e nas ruas – qual é agenda e os setores sociais e políticos que devem representar os interesses da classe trabalhadora e do Brasil.

Da Intersindical

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu