Deputados da base governista: “não vamos ‘apanhar’ sozinhos no Congresso”

In Destaques, Notícias 20 fevereiro, 2017 17:36
caminho pec 287

Líderes da base do governo estão insatisfeitos com a defesa do “reforma” feita pelo Planalto e acham que aprovação da PEC 287 até junho não é “realista”

O jornal O Globo publicou hoje uma matéria na qual deputados da base do governo Temer afirmam que o cronograma do Executivo para aprovar a “reforma” da Previdência até junho não deve ser cumprido. De acordo com a matéria, líderes de partidos que estão entre os maiores da base, como PP, PR, e PSD, afirmam que a previsão não é realista, criticando ainda a comunicação oficial relativa à PEC 287. Sabem que as medidas propostas pelo Planalto vão prejudicar a população e não estão dispostos a “apanhar” sozinhos ao defendê-las.

Os parlamentares criticam a postura do ministro Eliseu Padilha em audiência pública promovida pela Comissão Especial na semana passada, quando o ministro se recusou a responder perguntas. “Pesa negativamente”, escreve o repórter de O Globo, “o fato de o ministro ter se aposentado aos 52 anos e não fazer um ‘ato simbólico’, como a devolução de sua aposentadoria, por exemplo.” Na sessão, essa foi uma das críticas feitas pelo deputado Alessandro Molon (REDE-RJ). “Não sei se é desrespeito ou covardia pelo fato de ter se aposentado aos 53 anos de idade. Ele deveria devolver o que recebeu dos cofres públicos se é imoral se aposentar com a idade com que ele se aposentou”, disse na ocasião.

Para o líder do DEM, Efraim Filho (PB), Padilha “passou a imagem de que o governo não está disposto a defender sua proposta e deixou essa tarefa nas mãos da base”. Efraim Filho também faz um alerta: “O governo tem de trabalhar menos com equação matemática e mais com a vida real. Previdência não são apenas números, mexer com aposentadoria é mexer com a vida das pessoas, e é preciso ter consciência disso e do impacto que causa nas famílias.”

Já o líder do PSD, Marcos Montes (MG), afirma que “não se marca data da votação de uma matéria como esta na comissão especial. A votação surge naturalmente, fruto da discussão. Tem que se esgotar, e não marcar com antecedência. Vamos fazer força para votar este semestre, mas não vamos atropelar. Se der, ótimo.” Na matéria, a saída para a situação vista pelos parlamentares é aprovar um ou dois pontos da proposta.

(Foto: ministro Eliseu Padilha, por Fábio Rodrigues Pozzebom, Agência Brasil)

Leia também:

Previdência: hora de pressão sobre os parlamentares

Centrais sindicais fazem ato contra reformas da Previdência e trabalhista em Porto Alegre

Você também pode ler!

A nova estratégia é ‘descolar’ reforma da previdência de Michel Temer

Agenda econômica que impõe reforma da previdência estaria acima da questão presidencial. Equipe econômica pretende agir descolada de Temer

Read More...

Reforma trabalhista: prós e contras da jornada 12 x 36

Sem mecanismos de proteção, o regime de 12 horas de trabalho seguidas de 36 de descanso, sem intervalo para

Read More...

‘Estamos mudando o modelo de sociedade pactuado em 1988’

No Senado, professor Fagnani cita Conceição Tavares para mostrar ‘irresponsabilidade social’ da reforma trabalhista. Ele também critica discussão “a

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu