Contag questiona déficit da Previdência Social apontado pelo governo

In Destaques, Notícias 27 janeiro, 2017 13:20
previdencia pec 287

Trabalhadores rurais contestam os números apresentados nesta quinta (26) pelo secretário de Previdência Social Marcelo Caetano

A Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag) divulgou nota nesta sexta-feira (27) questionando o alegado déficit previdenciário apresentado pelo secretário de Previdência Social Marcelo Caetano nesta quinta-feira. Segundo o governo, em 2016 houve um déficit estimado em R$ 149,7 bilhões, sendo a Previdência Rural responsável por R$ 103,3 bilhões, o equivalente a dois terços desse montante.

O texto questiona o conceito de “déficit” apresentado pelo governo. “Na verdade, a Previdência Social integra o sistema de Seguridade Social e o governo omite todas as suas fontes de financiamento (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social – Cofins, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido – CSLL, Contribuição para o Programa de Integração Social – PIS/Pasep, Contribuição sobre concursos e prognósticos, entre outras) para influenciar a sociedade a apoiar esta reforma que propõe o desmonte da Previdência Social”, diz a nota. “Segundo os levantamentos anuais da Anfip, a Seguridade Social, que congrega as receitas e despesas da previdência, saúde e assistência social, nunca foi deficitária, mesmo em períodos de crise, de constantes renúncias fiscais, de sonegação por parte de grandes empresas e com a não taxação das exportações.”

A Contag alerta ainda para os efeitos que a população do campo poderá sofrer se a PEC 287 for aprovada no Congresso Nacional. “O impacto será enorme para o país, pois excluirá mais de 60% dos agricultores e agricultoras familiares do sistema, impactará a produção de alimentos e comprometerá o desenvolvimento socioeconômico de mais de 70% dos municípios brasileiros, sobretudo dos pequenos e médios municípios”, defende. “Portanto, a Contag, as Federações, os Sindicatos e diversas entidades já estão se articulando para intensificar o processo de sensibilização da sociedade e do poder público local. Precisamos impedir que a Constituição seja alterada para fazer um ajuste fiscal a partir da retirada de direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras e colocando em risco todo um processo de desenvolvimento do campo brasileiro.”

Confira a íntegra da nota aqui.

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr

Leia também:

PEC 287 é um golpe duro para o trabalhador rural

Déficit da Previdência? Mas que conta é essa?

Previdência: “déficit” é distorcido

 

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu