CNBB recebe centrais e MTST; dom Leonardo diz que é preciso furar o cerco da imprensa

In Destaques, Notícias 6 abril, 2017 16:38

Reunião da sede da CNBB serviu para aprofundar articulação da Igreja Católica com movimentos sociais e centrais sindicais e debater formas de irradiar o debate sobre a “reforma”. Greve geral do dia 28 foi tema do encontro. Da RBA, com informações das centrais sindicais. 

O bispo auxiliar de Brasília e secretário-geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Leonardo Ulrich Steiner, recebeu o presidente da CUT, Vagner Freitas, o diretor nacional da CTB Paulo Vinícius Santos da Silva, o secretário-geral da Intersindical, Edson Carneiro, o Índio, e o dirigente do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) Vitor Guimarães. As tentativas de reformas promovidas pelo governo Temer foram o tema da reunião.

O encontro ocorreu na sede da CNBB nesta quarta-feira (5), em Brasília, e serviu como ponto de partida do diálogo entre as centrais e os movimentos sociais com a mais importante autoridade católica do país. Para o bispo, hoje a população precisa ter conhecimento das medidas que estão sendo tomadas pelos três poderes que comprometem as garantias já conquistadas desde a redemocratização. “É o momento de chegarmos nas pessoas pois a mídia não está possibilitando fazer com que a população entenda a gravidade do que está acontecendo e o que aparece nos meios de comunicação é muito favorável  às reformas”, analisou Dom Leonardo.

Vagner Freitas pediu apoio da CNBB à greve geral que será organizada pelas centrais sindicais no dia 28: “Precisamos de apoio mais que político, humanitário! Hoje o aposentado é arrimo de família com o benefício da previdência, pois a maioria dos filhos e netos estão desempregados”. Vagner reafirmou que a nota da CNBB foi fundamental para alertar a sociedade dos malefícios da reforma da Previdência.

Para o representante da CTB, o país vive um momento grave de ataque à democracia que se expressa também nas medidas contra os trabalhadores. “Isso faz parte de um processo de desestabilização em toda América Latina”, observou

Paulo Vinícius. Índio, da Intersindical, disse que a Igreja tem capilaridade para aprofundar o debate. “É importante trazer elementos para a sociedade se proteger dessas medidas”, afirmou. E completou: “Foi uma ótima conversa. Obter o apoio da igreja é decisivo para a defesa dos direitos garantidos na Constituição.”

Dom Leonardo ressaltou a importância dos sindicatos e dos movimentos sociais para a defesa da democracia e dos direitos dos trabalhadores. O bispo se comprometeu, ainda, a levar à Assembleia Geral da CNBB, programada para 26 de abril a 5 de maio, o resultado da reunião como subsídio para redigir uma mensagem aos trabalhadores no 1º de Maio. Ele também manifestou preocupação com a situação dos povos indígenas, que ficaram ainda mais vulneráveis devido às medidas de desmonte das políticas indigenistas realizado pelo governo Temer.

 

Foto: Luciana Waclawosky/CUT

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu