Onde está o dinheiro

Bancos devem mais de R$ 1,3 bi para a Previdência

In Destaques, Notícias 19 abril, 2017 11:10

Da Intersindical

Enquanto propõe retirar direitos da aposentadoria, governo Temer ignora dívida de R$ 426 bilhões de empresas; valor corresponde a quase três vezes o déficit alegado.

De acordo com levantamento da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, empresas devem R$ 426,07 bilhões à Previdência Social. O valor corresponde a quase três vezes o déficit alegado pelo governo Temer para justificar a reforma da Previdência. Somente os cinco maiores bancos do Brasil devem juntos mais de R$ 1,3 bilhão.

Entre os bancos, a Caixa possui a maior dívida, de aproximadamente R$ 550 milhões; seguida pelo Bradesco, com R$ 465 milhões, Banco do Brasil, R$ 208 milhões; Itaú, cerca de R$ 89 milhões; e Santander, R$ 80 milhões.

É simbólico que, enquanto pretende acabar com a aposentadoria, elevando a idade mínima para 65 anos para todos, homens e mulheres, do campo e da cidade, e colocando a exigência de 49 anos de contribuição para o benefício integral, além de reduzir o valor dos benefícios, o governo Temer ignore uma dívida de centenas de bilhões das empresas com a Previdência. Isso mostra que o governo tem lado, e não é o dos trabalhadores.

Bancos privados, beneficiados pelo desmonte da previdência pública no Brasil com o aumento de demanda por seus planos privados, devem milhões. A reforma proposta por Temer premia devedores e pune trabalhadores, que contribuem em dia.

Falácia do déficit

Nem mesmo a principal justificativa de Temer e seus aliados na defesa da reforma da Previdência é plausível. De acordo com o economista e professor da Unicamp, Eduardo Fagnani, se respeitada a Constituição de 1988, que estabeleceu o modelo de contribuição tripartite (trabalhadores, empresários e governo), a seguridade social no Brasil seria superavitária.

“A Previdência é financiada pelos trabalhadores, empresários e Estado. Mas desde 1989, os governos não contabilizam a parte do governo. A Seguridade Social [composta por Previdência, Assistência Social e Saúde] é superavitária, mas os recursos são desviados. De onde vem o déficit? Vem de uma contabilidade inconstitucional que não leva em conta a contribuição do Estado”, esclarece o economista.

Greve geral

É fundamental que bancários se mobilizem na greve geral do dia 28 para barrar a reforma da Previdência e outros retrocessos pretendidos pelo governo Temer.

A greve geral será uma grande demonstração de força dos trabalhadores contra as reformas da Previdência, trabalhista, a terceirização ilimitada. Todas essas medidas defendidas por Temer visam retirar direitos. Os bancários, juntos com as demais categorias, estarão nas ruas por nenhum direito a menos.

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu