Após enterrar a CLT, governo já arma ataque à aposentadoria

In Destaques, Notícias 21 julho, 2017 11:20

Depois de aprovar a reforma trabalhista exatamente como empresários e banqueiros queriam, Temer e cia. começam a articular formas para destruir a previdência pública

Do Spbancários

Nem bem enterrou os direitos previstos na CLT com a aprovação da reforma trabalhista, o governo Temer já prepara mais um grande golpe contra os trabalhadores. O alvo agora é a aposentadoria, sob ameaça da reforma da Previdência, prevista na PEC 287 (Proposta de Emenda Constitucional).

Diante do contexto, Ivone Silva, presidenta do Sindicato, reforça convocação a todos os bancários para pressionarem desde já os parlamentares contra a aprovação do novo desmonte. Para isso, foi criada a plataforma Na Pressão.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), segundo matéria da Band.com, já está maquinando a estratégia: fatiar a proposta para empurrar as mudanças, rejeitadas por quase toda a população, goela abaixo. “Eventualmente, se algo não passar, devemos pautar esse algo para discussão em 2018 e para o futuro”, disse.

Outro movimento está sendo puxado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), prometendo apoio político, nas eleições do ano que vem, aos deputados que votarem a favor, segundo O Globo. Os parlamentares sabem que como a reforma é muito ruim para o trabalhador, vão se ‘queimar’ em seus redutos eleitorais se aprovarem a PEC 287.

Além do discurso de que a PEC é importante para as contas do país, os prefeitos têm outros motivos para querer a aprovação. Condicionam seu apoio a benefícios oferecidos pelo governo federal às suas gestões que podem gerar mais gasto para os cofres públicos do que a pretensa economia prometida por Temer e seus aliados.

Grandes bancos privados como Itaú, Bradesco e Santander, em notas públicas ou por meio de declarações dos seus executivos, já posicionaram-se favoravelmente. As justificativas “oficiais” dos banqueiros vão desde a retomada do “crescimento econômico sustentável” até a “solução dos nossos problemas sociais”. Entretanto, o que não assumem é um interesse bem particular das instituições que comandam: o crescimento da contratação de planos de previdência privada.

Desumana, cruel e nebulosa – Enquanto prefeitos e o governo se mexem para aprovar de qualquer jeito a reforma que os bancos querem, a sociedade se mostra contra as alterações sugeridas. Juízes e procuradores, por exemplo, já a classificaram como ‘desumana’.

Advogados do ramo do Direito Previdenciário foram mais longe ao afirmarem que a reforma parte de diagnósticos equivocados e premissas seletivas, sendo “aberrativa” e vai levar o país “para o abismo”.

A juíza do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, Vanessa Vieira de Melo, especialista em Previdência Social, considera que há falta de transparência e profundidade nos argumentos do governo. “Há toda uma campanha na sociedade de desinformação e de lesão àqueles que trabalham e que sustentam esse regime previdenciário. Atualmente, 30% dos recursos pagos para a Previdência são passados, na verdade, para pagamentos outros que não sabemos. Porque tudo fica muito vago para a sociedade, fica tudo infelizmente mal explicado” disse no Senado, em meados de junho.

Fora do campo jurídico, há também críticas pesadas sobre o ataque à aposentadoria pública do trabalhador. “São regras absolutamente incompatíveis com a realidade do mercado de trabalho brasileiro, que irão se agravar com a terceirização e a reforma trabalhista. E as regras de transição são, na verdade, regras de interdição. Isso penaliza a mulher, penaliza o rural, e o aposentado pelo BPC sofre uma crueldade ainda maior”, disse em maio Eduardo Fagnani, economista e professor da Universidade de Campinas (Unicamp), em entrevista para o Portal CTB.

Alternativas – No mês passado, no Senado, os trabalhadores apontaram as inconsistências no discurso de que a Previdência é deficitária e também apresentaram alternativas para o custeio de uma aposentadoria digna. Dentre elas, tributação sobre lucros e dividendos, extinta em 1995 por Fernando Henrique Cardoso, e a criação de uma contribuição social sobre grandes fortunas e sobre rendimentos em aplicações financeiras.

Cobrar mais de quem tem mais também é a sugestão do sociólogo Marcelo Medeiros, um dos principais pesquisadores em desigualdade de renda, segundo matéria da Folha de S.Paulo.

“O debate atual está muito focado na responsabilidade fiscal, o que é necessário, mas ela precisa andar de mãos dadas com a responsabilidade social. Se olhar no curto prazo demais lá na frente todo mundo afunda”, disse ao jornal. “O Brasil é um país desigual e a Previdência replica essa desigualdade. A maior parte dos gasto é com os mais ricos. Se precisa fazer economia, tem que se cortar no benefício dos mais ricos.”

Trâmite – A PEC 287 já começou seu trâmite na Câmara por uma comissão especial, na qual já foi aprovado o parecer do relator, o deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA). O próximo passo é a votação no plenário, onde precisa de 308 votos para ser aprovada. Se passar, vai para o Senado.

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu