Adilson Araújo: “Para gerar empregos é preciso retomar o desenvolvimento e não retirar direitos”

In Destaques, Notícias 19 maio, 2017 10:51

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) ainda não fechou questão sobre o Projeto de Lei Complementar (PLC 38/2017) que trata da Reforma Trabalhista, apesar de criticar publicamente a maneira açodada que o projeto foi aprovado na Câmara e está tramitando no Senado Federal.

Para que o Conselho Federal da OAB amplie seu entendimento sobre o tema, a entidade realizou na tarde de hoje (16), uma audiência pública com a presença de diversas organizações ligadas ao direito no país, parlamentares, associações e sindicatos para apresentação de suas análises sobre o tema.

Em sua manifestação, o presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adilson Araújo, iniciou sua exposição com a proposta de gravação de um vídeo com a posição das centrais sindicais presentes ao evento, com a finalidade de dar conhecimento a toda a comunidade jurídica dos alertas da classe trabalhadora diante do retrocesso que representa o PLC 38/17.

“Estamos diante de uma encruzilhada e muito nos preocupa a instabilidade que o país vive. O que seria justo é que neste momento estivéssemos discutindo alternativas para o país sair da crise. Entretanto, lamentavelmente, o governo advoga uma agenda ultraliberal, onde quem mais sairá prejudicada deste processo é a classe trabalhadora”, afirmou Adilson.

O presidente da CTB foi rigoroso ao afirmar que diante da mais profunda crise mundial e com a opção do governo por esta agenda, fará com que o Brasil submerja ao fundo do poço. Adilson também criticou a opção pela redução de custos com a promessa de geração de empregos. “Os Estados que adotaram o receituário de redução do serviço público, corte de salários, privatizações, redução do papel do Estado como indutor da economia e redução de investimentos públicos, tiveram como resultado a geração de empregos?”, questionou.

Adilson Araújo concentrou sua manifestação no que considera essencial no debate contemporâneo que traz como pano de fundo as reformas propostas por Temer. Segundo o presidente da CTB, o debate central é a retomada do desenvolvimento econômico, onde o Estado deve exercer papel fundamental de impulsionador dos investimentos públicos e não o contrário, como vem fazendo o governo interino.

O presidente resgatou o histórico da evolução do direito do trabalho no Brasil, lembrando que o país viveu a maior parte de sua história sob a égide de uma sociedade escravista, passando por um processo de industrialização tardia e ainda mais atrasada foi a chegada de uma legislação protetiva do trabalho. “A desregulamentação das Leis do Trabalho, que tem apenas 70 anos, diante do momento de crise internacional só servirá para aprofundar ainda mais a crise brasileira, onde trabalhadores e trabalhadoras estão pagando o preço com a destruição dos direitos e proteção legal do trabalho”, falou o dirigente.

Adilson também lembrou que a biografia da Ordem dos Advogados do Brasil é de posições firmes e claras diante dos grandes embates brasileiros e que, portanto, considera que à exemplo de diversas outras organizações do direito no país, seria fundamental que houvesse uma decisão que explicitasse o posicionamento da OAB.

De Brasília, Sônia Corrêa – Portal CTB

Você também pode ler!

Existem alternativas para a relação entre previdência e o envelhecimento da população

O governo declara que, por causa do envelhecimento da população, se a reforma da previdência proposta por Michel Temer

Read More...

‘Reformas de Temer estruturam um novo colonialismo no Brasil’

Luís Eduardo Gomes, no Sul 21 Quais as consequências da reforma Trabalhista para a classe trabalhadora? Essa foi a

Read More...

Previdência: Excluir para crescer ou crescer com inclusão?

A lógica do raciocínio da reforma proposta pelo governo remete à ‘teoria do bolo’ encampada pelo regime militar nos

Read More...

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu