Trabalho precoce: 44% dos brasileiros começaram antes dos 14 anos

In Destaques, Notícias 5 dezembro, 2016 12:05
trabalho precoce previdencia

Reforma da Previdência pode fazer com que milhões de brasileiros trabalhem mais de 50 anos antes de se aposentar. Trabalho precoce é maior entre a população mais pobre

Por Nicolau Soares

Segundo dados do IBGE, 44,2% da população brasileira ocupada começou a trabalhar antes dos 14 anos, o que é proibido pelas legislação atual. É uma parcela da população que será especialmente afetada pela proposta de instituição de uma idade mínima obrigatória para a aposentadoria, um dos principais pontos especulados para aparecer no projeto de Reforma da Previdência a ser apresentado pelo governo Temer.

Segundo a pesquisa, 34,8% da população ocupada com mais de 15 anos começou a trabalhar com idade entre 10 e 14 anos. Outra parcela, de 9,4%, está em situação pior: começou a trabalhar com até 9 anos de idade. As informações são da Síntese de Indicadores Sociais, pesquisa realizada pelo IBGE com base em dados coletados na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), referentes a 2015.

A divisão por faixas etárias mostra uma tendência de queda no número de pessoas que começa a trabalhar antes dos 14 anos, mas o percentual continua alto mesmo entre os mais jovens. Considerando pessoas de 15 a 29 anos (26,8% do total), os números caem para 3,4% e 25,8%, respectivamente. Na faixa entre 30 e 59 anos, que concentra 65% da população ocupada, ficam em 10,0% e 37,5%. Já os idosos (60 anos ou mais, 8% do total) são os que apresentam os maiores percentuais: 24,7% começaram a trabalhar com até 9 anos e 43% entre 10 e 13 anos.

Mais de 50 anos de trabalho

Todas as propostas de mudança nas regras de aposentadoria veiculadas na imprensa preveem o estabelecimento de uma idade mínima obrigatória mesmo para as aposentadorias por tempo de contribuição, o que hoje não existe. O mais provável é que a proposta, que deve ser apresentada nesta terça-feira (6), proponha estabelecer em 65 anos a idade mínima para homens e mulheres, acabando com a aposentadoria exclusivamente por tempo de serviço.

Se a proposta passar, milhões de brasileiros serão forçados a trabalhar por mais de 50 anos antes de se aposentar. A conta é simples: uma pessoa que começou a trabalhar aos 13 terá trabalhado 52 anos até completar os 65 previstos como idade mínima para a aposentadoria pela reforma defendida por Temer.

Segundo dados do IBGE, essa condição afeta 36,7 milhões de pessoas ocupadas entre 15 e 59 anos, mais de 90% do total – a exceção estaria no segmento de homens acima de 50 e mulheres com mais de 45 anos, para quem o governo estuda criar regras de transição.

Prejuízo maior aos mais pobres

O componente de renda também deve ser considerado na avaliação da proposta, de acordo com o diretor técnico do Dieese Clemente Ganz Lúcio. Em entrevista ao jornal Extra, ele observa que, historicamente, a entrada precoce no mercado de trabalho atinge principalmente os mais pobres. Portanto, o fim da aposentadoria por tempo de contribuição e a idade mínima obrigatória é injusta com a maioria mais pobre da população. “O tempo de participação no mercado de trabalho é muito desigual. Jovens de classe média tendem a entrar no mercado só depois dos 25 anos”, afirmou.

Ele destaca ainda outro dado da pesquisa relacionado à idade de início no mercado de trabalho: a escolarização. O IBGE mostra que os idosos que se mantêm na ativa tendem a ter um grau de escolarização mais baixo que o das demais faixas etárias. Entre as pessoas ocupadas de 15 a 29 anos de idade, a média de anos de estudo era de 10,1 anos em 2015. No grupo de 30 a 59 anos, o número caiu para 8,9 anos. Já entre aqueles ocupados acima dos 60 anos, o número é menor, de 5,7 anos – 65,5% dos idosos inseridos no mercado de trabalho tinham como nível de instrução o ensino fundamental (ou equivalente) incompleto.

Para o técnico do Dieese, isso é reflexo direto da entrada no mercado de trabalho. “O trabalho precoce aumenta o risco de abandono dos estudos ou compromete a qualidade da aprendizagem, porque o jovem precisa se dividir entre o trabalho e a escola. Isso impacta seu futuro profissional. Com menor grau de escolarização, tende a ocupar postos de trabalho mais precários e com salário baixo”, analisou.

(Com informações do Extra)

Foto de capa: Valter Campanato/Agência Brasil

Você também pode ler!

“É nas ruas que a gente pode derrotar as reformas”, afirma Eduardo Mara

Membro da Direção Nacional da Consulta Popular fala sobre Plano Popular de Emergência. Ouça a entrevista Do Brasil de

Read More...

Requião quer referendo para revogar leis aprovadas sem autorização da população

Em participação na 19ª Conferência Nacional dos Bancários, em São Paulo, peemedebista destaca que o Congresso não tem legitimidade

Read More...

Previdência pode ser votada no mês que vem

Governo quer votar, mas oposição diz que não há voto suficientes para aprovar reforma. Da Agência Câmara, no Diário

Read More...

2 commentsOn Trabalho precoce: 44% dos brasileiros começaram antes dos 14 anos

Responda:

Seu endereço de email não será publicado

Mobile Sliding Menu